Últimas intervenções

Armário de estilo Boulle, de meados do séc. XIX.
........................................................................
O estado de deterioração deste móvel era complexo, muito em especial no que se refere à porta, que apresentava sérios danos na estrutura, nos painéis que integram a marchetaria e ainda na laca negra. O móvel tinha decerto sido exposto a intensa e prolongada humidade, alternando com períodos de temperaturas extremas.
A estrutura da porta foi refeita, os painéis consolidados, a grande maioria dos elementos em latão reconstruídos, e o mesmo sucedendo com algumas áreas em tartaruga. Toda a profusão de marchetaria que decora a peça foi, com efeito, objeto de intervenção. Os bronzes, extensamente oxidados, foram tratados e redourados. A laca negra, também ela muito afetada, foi integralmente revista, tendo sido de novo folheadas ambas as faces da porta, e as restantes superfícies recuperadas. O tampo, em precioso mármore de Carrara, foi limpo e polido.






Restauro de escultura em madeira lacada e dourada, simbolizando Zhenwu, divindade taoista, sentado com o pé direito subjugando a serpente, e o esquerdo a tartaruga. China, Séc. XVII. Alt. 49 cm.





Mesa de escrever de estilo Boulle, em pau-santo e adornos em ébano, ricamente decorada em marchetaria de latão e tartaruga, e desenhada com duas gavetas simulando quatro. Meados do séc. XIX.
...................................................................................................................

Esta peça encontrava-se num absoluto estado de degradação e de ruina. A madeira, em algumas zonas, estava quase apodrecida. A do tampo superior, apresentava ainda uma grave fissura e marcadas dilatações e desnivelamentos, e a do tampo inferior, também ela, uma significativa fissura com ampla dilatação. Os restantes elementos, nomeadamente as pernas, apresentavam quebras e faltas em algumas zonas. Não obstante, a principal preocupação assentou na vastíssima deterioração da marchetaria em todas as superfícies, principalmente as de ambos os tampos.

Grande parte dos metais que originalmente compunham esta marchetaria (motivos figurativos, vegetalistas e filetes) haviam-se perdido ou tinham danos irreparáveis, e tiveram de ser totalmente refeitos. Por seu turno, a tartaruga - no tampo superior, nas gavetas, nos painéis que orlam a peça e nas pernas - teve de ser reconstituída, total ou parcialmente.

No que concerne às pernas, de forma piramidal e com torneados, foram elas também objeto de cuidada recuperação ou reconstituição. Duas delas apresentavam quebras longitudinais, e no geral, os torneados encontravam-se fragmentados e/ou incompletos, requerendo a sua replicação.

A intervenção realizada, no curso de muitas horas de persistência e dedicação, proporciona-nos um final feliz: o ensejo de poder re-admirar, em todo o seu esplendor, esta peça magnífica…





Intervenção de restauro em contador flamengo do séc. XVII em pau-santo e outras madeiras, com 10 gavetas com embutidos em tartaruga, emolduradas por filetes em metal dourado e frisos torcidos em madeira de ébano.





Para a recuperação deste leque, em marfim e papel, dos anos 1845-50, foi necessária uma exaustiva intervenção. As folhas duplas apresentavam diversos problemas e algumas das varetas estavam fortemente coladas entre si (possivelmente devido a um antigo derrame de licor, pelo elevado teor alcoólico açucarado). Também a guarda frontal se encontrava quebrada e com algumas perdas. As faltas foram refeitas e no geral a recuperação foi bem-conseguida, exceto no que respeita a algumas pequenas manchas irreversíveis que, não obstante, foram atenuadas.